AFFONSO ROMANO DE SANT'ANA
PERFIL

BIOGRAFIA

Mais do que jornalista, um escritor e professor. Poesia, crônica, crítica literária, ensaio, trabalho acadêmico, tantos textos produziu esse mineiro, nascido a 27 de março de 1937, na cidade de Belo Horizonte e que passou por tantos lugares a escrever e a ensinar. Como jornalista, cujo trabalho esteve sobretudo voltado aos discursos de opinião, Affonso Romano atuou em vários veículos de comunicação impressa do país: O Globo, Jornal do Brasil, O Estado de S. Paulo, Veja, Istoé, Senhor.

Como professor universitário, ministrou cursos em faculdades nacionais e estrangeiras: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal Fluminense, Universidade da Califórnia (E.U.A.), Universidade do Texas (E.U.A.); Universidade de Colônia (Alemanha), Universidade de Aix-em-Provence (França), entre outras.

Embora nascido na capital, passou sua infância em Juiz de Fora, uma época modesta.Sua adolescência foi marcada pela influência da família de raiz protestante. Parte de seus textos ressoa a experiência que ele vivenciou na juventude, nos trabalhos de evangelização em favelas, prisões, hospitais.
A temática social é um dos focos de Affonso Romano de Sant’Anna. Os trabalhos em poesia produzidos nas décadas de 1950 e 60 são considerados de vanguarda, inaugurando inovações de linguagem e de temática. O teor político de seus textos também impregnou sua produção jornalística, tanto que nos anos 1990, a revista Imprensa o considerou um formador de opinião de destaque no país.

Além das temáticas sociais e humanas, a literatura figura como um eixo condutor de sua trajetória profissional e de suas reflexões. Sua graduação em Letras Neolatinas, concluída em 1961, na UFMG, o encaminhou para o doutorado na mesma universidade, com uma tese defendida em 1969 sobre Carlos Drummond de Andrade. Esse trabalho acadêmico foi premiado diversas vezes.

Entre os prêmios que esse intelectual já recebeu estão: Prêmio Mário de Andrade; Prêmio Fundação Cultural do Distrito Federal e Prêmio União Brasileira de Escritores – todos três pelo livro Drummond, o gauche no tempo – Prêmio Pen-Clube, com o livro O canibalismo amoroso; Prêmio União Brasileira de Escritores, com o livro Mistérios Gozosos; Prêmio Associação Paulista de Críticos de Arte, pelo conjunto de obra.

A atuação do jornalista junto a órgãos relacionados a informação e conhecimento tem destaque em sua trajetória profissional. Durante seis anos (1990-1996), exerceu o cargo de presidente da Biblioteca Nacional; entre 1993 a 1995, ocupou a presidência conselho do Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e no Caribe (Cerlalc) e, em seguida (1995 e 1996), foi secretário geral da Associação das Bibliotecas Nacionais Ibero-Americanas (1995-1996).

Affonso Romano de Sant’Anna possui uma vasta produção, com mais de 40 livros lançados, e ainda aos 79 continua atuando no jornalismo, com uma coluna semanal no jornal carioca O Globo.